Lockdown: baixa adesão e leitos lotados motivaram prorrogação das restrições

Lockdown: baixa adesão e leitos lotados motivaram prorrogação das restrições

A baixa adesão da população ao decreto que endureceu aas regras do lockdown em Araraquara, e a constante alta nos casos de infecção e internações por Covid-19 na cidade, acenderam o sinal de alerta e obrigaram a Prefeitura municipal a dar um passo atrás e não permitir qualquer flexibilização a partir de amanhã.

Ao contrário, e como adiantou o Portal Cidade, Araraquara permanece como está pelo menos até a próxima sexta-feira, 26, quando se espera, o município pode apresentar uma situação melhor para, pelo menos, voltar ao lockdown anterior, menos rígido, em que pelo menos os supermercados abrem.

Implantado no último domingo, o modelo mais restritivo adotado pela Prefeitura, pode-se dizer, teve a adesão de metade da população. No melhor momento, 51% dos araraquarenses permaneceram em casa. Os outros, foram para as ruas.

Enquanto isso, a UPA da Vila Xavier permaneceu lotada por todo esse tempo, chegando ao cúmulo de, no final de domingo, ver seus funcionários improvisando cadeiras para os pacientes se acomodarem na tenda de espera, enquanto aguardavam por atendimento, ou continuidade de consulta.

O resultado, foi o aumento diário e constante dos casos positivados de coronavírus, e a consequente alta nas internações.

Apenas para se ter uma ideia, a cidade, que há pouco mais de 25 dias tinha um total de 102 leitos, e cerca de 200 pessoas em quarentena, hoje tem 243 internados e mais de 1,3 mil em quarentena.

Ou seja: se 10% desses pacientes que estão em casa tiverem seus casos agravados e precisarem de internação, literalmente testemunharemos pessoas morrendo nas ruas. E isso, vejam, não é retórica e muito menos terrorismo. É fato!

A manhã de hoje, porém, trouxe um leve alento para as autoridades. Este foi o primeiro dia, em pelo menos 25, que a cidade registrou queda no número de doentes. E isso, porque se ontem a cidade tinha 1.504 pacientes em quarentena, hoje são 1.376 pessoas nessa condição.

Pode parecer uma queda pequena mas, apesar de ainda ser cedo para qualquer afirmação, ela pode ser o primeiro sinal verde para Araraquara, depois de tantos vermelhos, já que na última segunda-feira eram pouco mais de 700 as pessoas em quarentena, e desde então o número só subia.

Por tudo isso, a manutenção das rígidas regras do lockdown pela Prefeitura é, na verdade, uma tentativa da administração dar um pouco mais de fôlego para o setor de saúde continuar seu monitoramento e, quem sabe, enxergar sinais de arrefecimento na pandemia, e no avanço do vírus, que pelo menos até aqui, não deu um segundo sequer de paz, aos já esgotados funcionários da linha de frente.

 

Tudo fica como está

Nada mudou nas regras do decreto que ampliou aas restrições do lockdown em Araraquara. Tudo o que era proibido, segue proibido.

Ou seja, até sexta-feira (26), continua proibida a circulação de veículos e de pessoas na cidade. As pessoas somente poderão sair de casa para aquisição de medicamentos, obtenção de atendimento ou socorro médico para pessoas ou animais, atendimento de urgências ou necessidades inadiáveis, como prestação de serviços permitidos pelo decreto.

Quando abordadas pela fiscalização, as pessoas deverão apresentar, além do documento de identificação: nota fiscal da compra ou prescrição médica do medicamento adquirido ou a ser adquirido; atestado de comparecimento na unidade de saúde; carteira de trabalho, contracheque, contrato social de empresa que seja sócio, declaração de terceiro com identificação do indivíduo, do declarante e do endereço da prestação dos serviços; tíquete ou imagem da passagem (no caso de transporte intermunicipal); ou comprovação da urgência ou da necessidade inadiável por qualquer meio ou declaração.

Estarão proibidas todas as atividades comerciais incluindo postos de combustível, assim como também estão proibidas as atividades de prestação de serviços (inclusive agências bancárias) e industriais, seja pelo atendimento presencial ou para a prática de atividades internas, externas, produtivas, de manutenção, de limpeza ou outra de qualquer natureza, exceto segurança. O transporte coletivo também não circulará no período vigente deste decreto.

Supermercados podem atender somente pelo serviço de delivery, e com até 30% de seus funcionários, colaboradores e ou fornecedores no seu interior.

Serviço de aplicativo, como Uber ou 99, podem funcionar, mas apenas com uma pessoa como passageira.

A partir de sábado (27), Araraquara volta as regras normais do lockdown em que já estava, aquele em que o comércio não pode funcionar, mas pelo menos os supermercados reabrem novamente.

A situação permanece assim até segunda-feira (1º), quando novo decreto deve ser baixado pelo pela Prefeitura, já com novas regras, restrições e protocolos.

Araraquara tem hoje muitas dúvidas quanto ao que pode acontecer nos próximos dias, mas pelo menos uma certeza há: flexibilização e reabertura do comércio e serviços, como bares e restaurantes, só quando houver margem na taxa de leitos disponíveis para pacientes da Covid-19.