Rio Jacaré Pepira vai virar patrimônio histórico

Rio Jacaré Pepira vai virar patrimônio histórico

Orgulho da população de toda a região e importantíssimo para a economia da cidade de Brotas, onde é diretamente ligado ao turismo no município, o Rio Jacaré Pepira vai se tornar patrimônio histórico, turístico e cultural.

A proposta é um reconhecimento em meio à sua história, que por pouco teve seu curso modificado para um cenário muito diferente do atual, responsável pela movimentação do setor de serviços e da economia local. 

Visitado diariamente por turistas de todos os cantos do Brasil, o Jacaré Pepira poderia sofrer as ações da degradação pela produção industrial. Na década de 1990, quando houve a intenção de instalar um curtume na cidade, a sociedade se mobilizou em peso para proteger este recurso. 

Entres os rios mais limpos do estado, o Jacaré Pepira é também parte da memória afetiva da comunidade. Muito antes de iniciada a atividade turística na estância, ainda na década de 1960, começava a prática da descida nas corredeiras por boias. Logo a ideia virou febre e hoje, o boia cross é um dos principais atrativos, que em 2020 foi feito por 3 mil pessoas, número reduzido – em 2019, foram mais de 4,3 mil passeios - devido a suspensão da atividade por conta da pandemia. 

Da nascente até o Rio Tietê, o Jacaré Pepira tem 174 quilômetros de extensão. É formado por nascentes, córregos e mais de 50 cachoeiras, mais de 20 delas localizadas em Brotas. É também provedor de um cinturão de mata que serve de habitat para uma variedade de espécies da fauna brasileira. 

 

Atividades

Também está na proposta da Secretaria de Turismo de Brotas e do Poder Legislativo incluir na lista de patrimônio cultural e histórico da cidade o boia cross e o rafting. Estas atividades no turismo de aventura do município em 2020 totalizaram cerca de 50 mil vouchers emitidos pelo setor. 

Boia cross é a descida por boias nas corredeiras, monitoradas por instrutores que acompanham grupos de até cinco pessoas. A atividade é feita com equipamentos de segurança e o passeio tem duração de uma hora e meia. As operadoras incluem ainda no pacote instruções e transporte. 

Já o rafting explora as quedas nas corredeiras chegam a três metros de altura. Os botes são ocupados por até oito pessoas e instrutor. O passeio leva cerca de duas horas e meia e inclui equipamento de segurança, instrução e transporte. 

“Brotas tem uma relação afetiva com o seu rio, que representa o orgulho e a história das famílias, até mesmo de onde vem o sustento de parte delas. Esta iniciativa é mais uma entre tantas que promovemos com o objetivo de preservar e valorizar este recurso”, conclui Fabio Pontes, secretário de Turismo de Brotas.